PUBLICIDADE

Mulheres criticam retrocessos durante ato dos 16 Dias de Ativismo na Assembleia Legislativa da Bahia


O ato de lançamento da Campanha 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra a Mulher, nesta quarta-feira (22), na Assembleia Legislativa, foi marcado por falas contra os retrocessos nos direitos das mulheres e contra a PEC 181, projeto que criminalização o aborto em casos de estupro, risco de vida para a mulher e feto anencéfalo. Organizada pela Comissão dos Direitos da Mulher, a Bancada Feminina e a Assembleia de Carinho, a atividade contou com a presença de parlamentares, secretárias de estado, feministas, lideranças, ativistas dos direitos humanos e movimentos sociais.




Durante seu pronunciamento, a líder da bancada feminina, deputada Neusa Cadore solicitou ao presidente Ângelo Coronel para aprovar os projetos de lei em defesa das mulheres e ressaltou a importância de trabalhar em rede para combater a violência. “O combate à violência é um desafio contemporâneo que faz a gente se indignar e uma forma concreta para a gente contribuir com a campanha é aprovar os projetos contribuir nesse enfrentamento”.



O chefe do legislativo parabenizou a luta das mulheres e ressaltou que é importante lutar para impedir o avanço da PEC 181. “Não podemos admitir que a mulher seja obrigada a ter filho fruto de estupro, se ela não quiser. Essa Casa também vai se rebelar contra isso e pode contar com a gente para fortalecer a luta das mulheres baianas”, ressaltou.



Acompanhada de Eliene das Neves, vítima de violência do seu ex-companheiro no município de Camaçari, a deputada Luiza Maia se emocionou e lamentou que seu projeto de lei para divulgação da imagem de agressores de mulheres tenha sido derrotado na Assembleia.

“A gente tem o dever, ao menos em homenagem às mulheres que foram vítimas de violência, de levantarmos essa bandeira, por outro lado temos certeza de que sociedade está muito mais engajada nessa luta”, destacou a chefe do Ministério Público da Bahia, Ediene Lustosa.

Também participaram do evento a secretária de Políticas para as Mulheres, Julieta Palmeira, a titular da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, Fabya Reis, dentre outras autoridades e representações.

Campanha 

Os 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra a Mulher é uma mobilização internacional que acontece anualmente nos meses de novembro e dezembro. A próxima agenda será na próxima sexta-feira, 24, uma Audiência Pública no Território da Bacia do Jacuípe, a partir das 09h, no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Riachão do Jacuípe.


Lourivânia Soares - Ascom Neusa Cadore
Mulheres criticam retrocessos durante ato dos 16 Dias de Ativismo na Assembleia Legislativa da Bahia Mulheres criticam retrocessos durante ato dos 16 Dias de Ativismo na Assembleia Legislativa da Bahia Reviewed by VR14 on 20:04 Rating: 5

Destaque

Muita tradição e fé na Semana Santa em Mairi