PUBLICIDADE

Mais um caso de racismo é registrado no futebol brasileiro

O último clássico Ba-Vi do ano tinha tudo para ser uma festa bonita. Tricolores e rubro-negros fizeram uma partida disputada, bem jogada, até que uma confusão tomou conta dos minutos finais.
O volante Renê Júnior ficou transtornado. Do banco de reservas, veio a informação: um jogador do Vitória teria chamado o jogador do Bahia de “macaco”.

Inicialmente furioso e depois chorando, Renê deixou o gramado sem falar com jornalistas. Foi abraçado por jogadores tricolores e rubro-negros e saiu cabisbaixo de campo. De acordo com os jogadores do Bahia, o responsável pelo ato racista foi o atacante colombiano Santiago Tréllez, que deixou o gramado sem dar entrevistas e não quis se posicionar sobre o ocorrido.

Após o confronto, Renê Júnior fez um pronunciamento na sala de imprensa da Fonte Nova e afirmou que não vai denunciar o jogador rubro-negro.

“O que aconteceu é inadmissível no mundo de hoje, mas eu sou maior que isso aí, não é qualquer palavra que vai me colocar para baixo. Eu queria que eu, meus filhos, e todos os outros negros fôssemos julgados pela personalidade, e não pela cor da pele. Não vou dar queixa, não. Eu sou maior que isso aí. Pra mim, a maior punição vem de Deus”, disse.

“Teve mais jogador do Vitória que veio me perguntar o que aconteceu, outros que viram me pediram para não denunciar. Ele próprio me pediu desculpas depois, mas foi o que eu falei, eu sou maior que isso tudo. Bola pra frente. Tenho muito orgulho da minha raça, da minha história, de onde eu vim. Não é qualquer palavra que vai me colocar para baixo. É difícil ser chamado de macaco dentro do seu país, ainda mais no estado da Bahia, onde a maioria da população é de negros. A maioria no país dele (Colômbia) também é de negros, cara”, desabafou Renê, que lembrou o caso de racismo com o goleiro Aranha e finalizou: “agora eu sei o que ele sentiu”.

O diretor de futebol Diego Cerri comentou o caso.

“Não pode acontecer esse tipo de coisa na vida, nem no futebol. Renê relatou que foi chamado de macaco por um jogador do Vitória, o Tréllez, e estamos conversando internamente para ver como agir. Coisas como essas são absurdas. Vamos conversar com o jogador e ver o que vamos fazer”, explicou.

Depois do posicionamento de Renê Júnior, o presidente Marcelo Sant’Ana declarou que o clube vai seguir a vontade do jogador.

Vitória se posiciona

Surpreso com a história, o presidente em exercício do Vitória, Agenor Gordilho, disse que a situação provavelmente foi um mal-entendido. “Estamos surpresos. Não estou sabendo de nada ainda. Quero falar com o jogador para saber o que aconteceu, mas vamos contornar tudo. Vamos dar cobertura ao atleta, mas tenho certeza que foi um grande mal-entendido. Tudo se contorna”, opinou.
Tréllez pede desculpas a Renê Jr, mas nega xingamento de ‘macaco’

O atacante Santiago Tréllez, do Vitória, gravou um vídeo na noite de domingo (22) para dar a sua versão da confusão em que se envolveu com o volante Renê Júnior, que o acusou de tê-lo chamado de “macaco”. No vídeo, o colombiano confirma que trocou ofensas com o jogador do Bahia durante o Ba-Vi vencido pelo tricolor por 2 × 1 e chega a pedir perdão ao povo do Brasil e da Bahia, mas nega que tenha usado o xingamento específico.

Sem explicar que palavras usou na briga com Renê Júnior, Tréllez justifica ainda que jamais faria isso, pois “é preto, assim como seu pai também é”.

Fonte: Correio


Mais um caso de racismo é registrado no futebol brasileiro Mais um caso de racismo é registrado no futebol brasileiro Reviewed by VR14 on 12:10 Rating: 5

Destaque

Muita tradição e fé na Semana Santa em Mairi